Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufms.br/handle/123456789/1107
Tipo: Dissertação
Título: Da cor da cultura à cultura da cor: o Black English em The Color Purple
Autor(es): Silva, Carlos Alberto Gonçalves da
Abstract: O objetivo deste trabalho é analisar como Alice Walker, autora de The Color Purple, se increve na sociedade norte-americana, como mulher afro-descendente, por meio de seus personagens. Fato curioso é que a autora opta por um registro lingüístico que não é o padrão daquela sociedade branca, dominante. E, no entanto, por meio dos enunciados, constatamos que isso se deveu ao fato de uma necessidade de resgatar a sua ancestralidade, de travar um diálogo com a sua geração, muito ao contrário do que a crítica norte-americana afirmou ser um ato de rebeldia. Traçamos as principais características do discurso da mulher, o discurso de exclusão, do minoritário, do preconceito racial e sexual, as formações identitárias, definidoras de diferenças, enfim, de um discurso não-canônico. Pautamo-nos na seleção de dados materializados nas cartas escritas por Celie e Nettie no romance The Color Purple. Tomamos o ponto de vista da Análise do Discurso francesa e também uma visão de teóricos brasileiros, cujos pressupostos metodológicos e os princípios analíticos nos subsidiam a partir da materialidade lingüística, numa perspectiva cunhada no Black English; do processo de referenciação; de formações discursivas; de interdiscurso; de polifonia. É de suma importância ressaltar que se desenvolveram ao longo deste trabalho diálogos com os Estudos Culturais, os quais forneceram as bases históricas e culturais da construção identitária, da exclusão e das relações de poder que perpassam os discursos dos grupos minoritários do nosso corpus. Vale ainda dizer que nos apoiamos, também, no decorrer de nossa pesquisa nos estudos da Tradução, numa visão não meramente lingüística, literária, e sim uma tradução que envolve os aspectos da sociedade, ou seja, a tradução cultural. De forma relevante, as diferenças culturais têm sido reduzidas e, por conseguinte, fronteiras culturais são rompidas pela natureza midiática e virtual do nosso tempo. Por esse caráter intenso e acelerado, coloca-se em discussão cada vez mais acirrada a questão da tradução. De maneira geral, conforme essas orientações teóricas, nosso enfoque deteve-se na discussão das formações discursivas no discurso da mulher, negra, semi-alfabetizada e abusada sexualmente, que luta pela sobrevivência num mundo marginal, onde a sociedade maior, branca e dominante, impõe-lhe restrições, proibições e silenciamentos.
The aim of this study is to analyse why Alice Walker, the author of The Color Purple, looks at North American history from the perspective of an Afro-descendant woman through her characters. It is significant that the author chooses a linguistic register that is different from the one used in the dominant white society. And, therefore, through the enunciation, we became aware that Walker wanted to hold a dialogue with her generation drawing on her ancestry for inspiration. Our interpretation of Walker’s work is totally different from the North American critics who branded her a rebel. We distinguished the main female discourse characteristics, the exclusion and minority discourse, from the racism and sexism prejudices, the identities formation that define differences and finally the noncanonical discourse. We used material in Celie´s and Nettie´s letters along with The Color Purple in our research. We chose the approach of French Discourse Analysis and also a national point of view as methodological support and these analytical principles provided the materialised linguistic, printed from the Black English perspective; the reference process, discursive formation, interdiscourse and polyphony. It is extremely important to mention that all the research dialogues were developed together with Cultural Studies, which supported us with the historical and cultural ground for the identity construction, the exclusion, and also for the power relations that crossed the minority groups’ discourses in the corpus. It is also relevant to state that we took the Translation Studies as a base, not only from a linguistic and literary perspective, but involving aspects from the society to provide a Cultural Translation. Our approach has been to reduce the cultural differences and, therefore, cultural borders have been disregarded due to the media available and virtual nature of our time. Due to the intense and rapid aspects, the translation issues emerge more frequently in the discussions. In general, given these theoretical bases, our focus was, mainly, on the discursive formation of the black, illiterate female discourse, where the subject is also sexually abused and who fights for life in a marginal world, where the white dominated society forces restriction, prohibition and silence on the minorities.
Palavras-chave: Marginalidade Social - discursos
Linguagem - formação
Análise do Discurso
Identidade Social
Literatura Norte-Americana
Group Identity
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: https://repositorio.ufms.br/handle/123456789/1107
Data do documento: 2008
Aparece nas coleções:Programa de Pós-graduação em Letras (Campus de Três Lagoas)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Carlos Alberto Gonçalves da Silva.pdf372,01 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.