Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufms.br/handle/123456789/1009
Tipo: Tese
Título: Polimorfismos nos genes GSTM1 e PROGINS em mulheres de comunidades quilombolas, Mato Grosso do Sul, Brasil
Autor(es): Siroma, Valdir Shigueiro
Abstract: Objetivos: Estimar a prevalência dos polimorfismos gênicos presentes nos genes do receptor da progesterona (PROGINS) e Glutationa S-transferase (GSTM1), em mulheres afro-descendentes de comunidades Quilombolas do Estado do Mato Grosso do Sul e verificar alguns fatores associados. Métodos: Foram analisadas 101 mulheres afro-descendentes das Comunidades Quilombolas de Furnas da Boa Sorte, de Furnas do Dionísio e de São Benedito, incluídas no Programa de Atenção à Saúde das Populações Negras e Indígenas – PASNI-MS (Mato Grosso do Sul). O DNA foi extraído a partir de amostras de sangue periférico e a genotipagem para os polimorfismos citados foi realizada pela técnica da reação em cadeia da polimerase (PCR) e eletroforese em gel de agarose. Para a classificação da mamografia e da categoria da densidade da mama foram tomados como base os padrões do sistema ACR-BIRADS, 1998. Resultados: Com relação ao polimorfismo PROGINS foram encontradas as seguintes frequências genotípicas: P1/P1 (genótipo selvagem), 94%; P1/P2 (heterozigoto), 6%; e P2/P2 (homozigoto recessivo), 0%. A frequência dos genótipos do polimorfismo GSTM1 na população estudada foi: genótipo positivo (1/1), 98% e genótipo nulo (0/0), 2%. Não se observou relação entre as deleções estudadas e o índice de massa corpórea (IMC), idade da menarca, número de gestações e história de câncer na família. Não houve associação positiva (p>0,05) entre os achados mamográficos e classificação BIRADS e as variáveis epidemiológicas analisadas, com exceção da idade que apresentou maior média (p≤0,05) para as mulheres com padrão mamográfico D2. Conclusões: Polimorfismos presentes nesta população em genes envolvidos na ação e metabolização de esteróides sexuais, como PROGINS e GSTM1 são pouco frequentes e parecem não exercer influência no surgimento de condições patológicas como o câncer de mama e nem estão associados com os dados epidemiológicos analisados.
Palavras-chave: Neoplasias dos Genitais Femininos
Mulheres
Negros
Comunidade Negra
Teoria Ética
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: https://repositorio.ufms.br/handle/123456789/1009
Data do documento: 2011
Aparece nas coleções:Programa de Pós-graduação em Saúde e Desenvolvimento na Região Centro-Oeste

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Valdir Shigueiro Siroma.pdf1,04 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.