Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufms.br/handle/123456789/953
Tipo: Dissertação
Título: Prevalencia e fatores de risco associados à Brucelose bovina em rebanhos de Mato Grosso do Sul
Autor(es): Monteiro, Letícia Almeida Retumba Carneiro
Abstract: O objetivo deste estudo foi estimar a prevalencia da brucelose bovina nos 22 municípios que compõem a região denominada estrato 1 do Estado de Mato Grosso do Sul, e identificar os fatores de risco associados à infecção. A região amostrada constitui uma área de 70.214,1 km2, que representa 19,7% do Estado. O rebanho de região estudada é de, aproximadamente, 5,7 milhões de cabeças, correspondente a 23% do efetivo de 24,9 milhões de bovinos de Mato Grosso do Sul. Nas 210 propriedades amostradas, no período de dezembro de 2003 a março de 2004, foram colhidas 2.376 amostras de sangue de femeas com idade igual ou superior a 24 meses, submetidas a testes diagnósticos em série. A triagem, realizada por meio do teste do antígeno acidificado tamponado, foi seguida pelo teste confirmatório 2- meracaptoetanol. Na mesma ocasião da colheita das amostras, foi preenchido um questionário com informações de identificação, tipo de criação e práticas de manejo. Em animais, a prevalência real foi estimada em 5,6% e em rebanhos, 37,3%. As variáveis que apresentaram associação, por meio da análise univariada odds ratio (OR), com a soropositividade à brucelose foram: o tipo de exploração corte (OR 2,82), a raça Zebu (OR 2,62), aborto (OR 1,83), a existência de áreas alagadiças na propriedade (OR 1,04) e o ingresso de animais nos rebanhos (OR 1,53).Os resultados demonstram que, além da brucelose ser prevalente no estrato estudado em Mato Grosso do Sul, o controle da doença pode consistir na adoção de programa com especial atenção à exploração do tipo corte, à raça Zebu e à presença do aborto.
This study aimed to estimate the prevalence of bovine brucellosis in the 22 counties which make up the region called extract 1 of the State of Mato Grosso do Sul and identify the risk factors associated with that infection. The sample region encompasses an area of 70.214,1 km2, which represents 19,7% of the State. The cattle herd in the studied region has approximately 5,7 million individuals, corresponding to 23 % of the whole of 24,9 million of bovines in the State of Mato Grosso do Sul. In the 210 sample estates in the period between December 2003 and March 2004, 2.376 blood samples were collected from females aged 24 months or older, submitted to serial diagnostic tests. The sorting, carried on through the buffered acidified antigen test, was followed by the confirmatory 2-mercaptoetanol test. On the same occasion of the sample collection, a questionnaire with information related to the identification, kind of cattle and management practices was filled out. In animals the real prevalence was estimated in 5,6% and in cattle herd, 37,3%. The variables which presented association through odds ratio univariate analysis (OR) with serum positivity to brucellosis were: the exploration of beef cattle (OR 2,82), Zebu breed (OR 2,62), abortion (OR 1,83), the existence of flooding areas in the estate (OR 1,04) and the joining of animals to the herd (OR 1,53). The results demonstrate that, despite the prevalence of brucellosis in the extract studied in the State of Mato Grosso do Sul, the control of the disease may depend on the adoption of a program focusing on the exploration of beef cattle, the Zebu breed and the presence of abortion.
Palavras-chave: Brucelose Animal
Bacterioses em Animais
Doenças Infecciosas em Animais
Patologia Veterinária
Rebanho
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: https://repositorio.ufms.br/handle/123456789/953
Data do documento: 2004
Aparece nas coleções:Programa de Pós-graduação em Ciência Animal

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Letícia Almeida Retumba Carneiro Monteiro.pdf950,2 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.