Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufms.br/handle/123456789/946
Tipo: Dissertação
Título: Intoxicação experimental por Brachiaria decumbens em ovinos
Autor(es): Saturnino, Klaus Casaro
Abstract: Foi realizado estudo experimental de intoxicação por Brachiaria decumbens em ovinos confinados recebendo apenas esta forrageira como fonte alimentar. Os animais foram avaliados em três período s do ano, com duração de 60 dias cada, analisando seus estados clínicos e amostras de sangue para mensuração da atividade das enzimas séricas GGT (gama glutamiltransferase), AST (aspartato aminotransferase) e dos níveis séricos de BD (bilirrubina direta) com o objetivo de avaliar sua importância e utilidade no diagnóstico de fotossensibilização hepatógena causada por esta planta, além de relatos dos sinais clínicos, achados de necropsia e histopatológicos. De vinte e quatro animais confinados, cinco morreram no primeiro período, quatro no segundo e dois no terceiro, tendo como principais sinais clínicos anorexia, icterícia, fotofobia e dois casos de dermatite leve, além de desidratação e apatia. Nos achados de necropsia foram constatados icterícia generalizada, vesícula biliar repleta e distendida, padrão lobular evidente e em dois casos, opacidade de córnea. As alterações microscópicas foram mais significativas no fígado com bilestase, tumefação e vacuolização de hepatócitos, sinusóides com macrófagos, proliferação de ductos e canalículos biliares com infiltração linfocítica, sinais estes que variaram na sua severidade conforme o tempo decorrido da ingestão da planta. Os achados foram característicos de fotossensibilização hepatógena por B. decumbens no período estudado e nas quantidades consumidas, mesmo quando os animais não apresentaram dermatopatia, principalmente pela presença de fotofobia. Os resultados da avaliação sérica demonstraram indícios de aumento de suas atividades durante o processo de intoxicação com forte correlação entre GGT, BD e morte dos ovinos, com surgimento de elevação da atividade sérica de GGT, em média, 11 dias antes da constatação dos sinais clínicos, validando sua importância diagnóstica preventiva. A BD teve elevação em períodos bem próximos dos sinais clínicos e a AST teve resultados inconsistentes. Treze animais não apresentaram sinais clínicos, apesar de serem constatadas significativas elevações nos níveis séricos das enzimas em questão, sugerindo a existência de indivíduos tolerantes/resistentes dentro do intervalo estabelecido. O modelo experimental foi adequado na caracterização da intoxicação de ovinos pela B. decumbens, oferecendo dados para a realização de novas pesquisas.
Foi realizado estudo experimental de intoxicação por Brachiaria decumbens em ovinos confinados recebendo apenas esta forrageira como fonte alimentar. Os animais foram avaliados em três período s do ano, com duração de 60 dias cada, analisando seus estados clínicos e amostras de sangue para mensuração da atividade das enzimas séricas GGT (gama glutamiltransferase), AST (aspartato aminotransferase) e dos níveis séricos de BD (bilirrubina direta) com o objetivo de avaliar sua importância e utilidade no diagnóstico de fotossensibilização hepatógena causada por esta planta, além de relatos dos sinais clínicos, achados de necropsia e histopatológicos. De vinte e quatro animais confinados, cinco morreram no primeiro período, quatro no segundo e dois no terceiro, tendo como principais sinais clínicos anorexia, icterícia, fotofobia e dois casos de dermatite leve, além de desidratação e apatia. Nos achados de necropsia foram constatados icterícia generalizada, vesícula biliar repleta e distendida, padrão lobular evidente e em dois casos, opacidade de córnea. As alterações microscópicas foram mais significativas no fígado com bilestase, tumefação e vacuolização de hepatócitos, sinusóides com macrófagos, proliferação de ductos e canalículos biliares com infiltração linfocítica, sinais estes que variaram na sua severidade conforme o tempo decorrido da ingestão da planta. Os achados foram característicos de fotossensibilização hepatógena por B. decumbens no período estudado e nas quantidades consumidas, mesmo quando os animais não apresentaram dermatopatia, principalmente pela presença de fotofobia. Os resultados da avaliação sérica demonstraram indícios de aumento de suas atividades durante o processo de intoxicação com forte correlação entre GGT, BD e morte dos ovinos, com surgimento de elevação da atividade sérica de GGT, em média, 11 dias antes da constatação dos sinais clínicos, validando sua importância diagnóstica preventiva. A BD teve elevação em períodos bem próximos dos sinais clínicos e a AST teve resultados inconsistentes. Treze animais não apresentaram sinais clínicos, apesar de serem constatadas significativas elevações nos níveis séricos das enzimas em questão, sugerindo a existência de indivíduos tolerantes/resistentes dentro do intervalo estabelecido. O modelo experimental foi adequado na caracterização da intoxicação de ovinos pela B. decumbens, oferecendo dados para a realização de novas pesquisas.
Palavras-chave: Ovinos
Confinamento Animal
Patologia Veterinária
Fotossensibilização em Animal
Toxicologia Veterinária
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: https://repositorio.ufms.br/handle/123456789/946
Data do documento: 2009
Aparece nas coleções:Programa de Pós-graduação em Ciência Animal

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Klaus Casaro Saturnino.pdf322,89 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.