Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufms.br/handle/123456789/674
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.advisorOsório, Antônio Carlos do Nascimento-
dc.contributor.authorBruno, André Gustavo Garcia-
dc.date.accessioned2011-10-28T16:36:43Z-
dc.date.available2011-10-28T16:36:43Z-
dc.date.issued2006-
dc.identifier.urihttps://repositorio.ufms.br/handle/123456789/674-
dc.description.abstractEsta pesquisa teve por objetivos estudar as interdições e as contradições existentes na política de inclusão de Jovens e Adultos com deficiência no estado de Mato Grosso do Sul. Buscou analisar os fundamentos, princípios, diretrizes e propostas de inclusão para identificar a ordem do discurso: o dito, o silenciado, o omitido, o interditado e o oculto, expressos na política e nos documentos que estruturam e organizam o atendimento educacional especializado desses alunos.Trata-se de uma pesquisa qualitativa ancorada nos pressupostos teóricometodológicos de Michel Foucault para estudo e análise dos documentos internacionais, nacionais, das diretrizes e propostas de inclusão por meio do recorte temporal da última década( 1996 a 2006). Ocupou-se de refletir sobre a construção do processo de inclusão no Estado de Mato Grosso do Sul por meio da atenção às pessoas com deficiência, particularmente, em relação às referências e orientações para essa modalidade de ensino no campo da garantia dos direitos sociais, das políticas, programas e propostas para a prática pedagógica adequadas às especificidades e necessidades educacionais dessa população.Para tanto, foi utilizado o procedimento metodológico da arque-genealogia como instrumento de análise e interpretação das relações de poder manifestas e da compreensão do paradoxo presente nos diferentes momentos históricos da implementação da política de inclusão em nosso estado. Os resultados desvelam que não existem políticas governamentais eficazes (União, Estados e Municípios) para a inclusão educacional de alunos com deficiência na EJA.Nota-se ausência de diretrizes claras e propostas pedagógicas consistentes e adequadas às necessidades desses educandos. Os documentos do Estado de Mato Grosso do Sul analisados, desvelam: negligência do aparelho estatal quanto a garantia dos direitos sociais e oferta de oportunidades educacionais no sistema público de ensino; classificação dos alunos e categorização por deficiência para encaminhamento ao ensino segregado; escolarização de jovens e adultos em escola especial; ausência de adequação curricular e de atendimento às necessidades específicas no contexto da sala de aula; falta de atendimento educacional especializado com a articulação da educação especial-ensino comum; há indicadores de micropoderes exercidos no cotidiano escolar em virtude da falta de participação de professores, pais e alunos com deficiência na discussão e elaboração dos projetos pedagógicos.Esses mecanismos de exclusão aperfeiçoados em sua tecnologia buscam o apaziguamento da ambigüidade por meio de um discurso de acesso, igualdade de oportunidades e diversidade, mas que contraditoriamente, na prática pedagógica inclusiva não se operacionaliza. Esses dados permitem refletir sobre a inexistência de um paradigma de inclusão e apontam para o paradoxo da exclusão das pessoas com deficiência do sistema estadual de ensino.pt_BR
dc.language.isoporpt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectEducação de Jovens e Adultospt_BR
dc.subjectInclusão Escolarpt_BR
dc.subjectEducação Inclusivapt_BR
dc.subjectEducação Especialpt_BR
dc.titleInterdições e contradições na política de inclusão de jovens e adultos com deficiência no estado de Mato Grosso do Sulpt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR
Aparece nas coleções:Programa de Pós-graduação em Educação (Campus de Campo Grande)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
André Gustavo Garcia Bruno.pdf444,93 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.