Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufms.br/handle/123456789/297
Tipo: Dissertação
Título: Freqüência de auto-anticorpos e dosagem de complemento sérico em pacientes com diagnóstico de leishmaniose cutânea ou visceral
Título(s) alternativo(s): Frequency of auto antibodies and serum complement in patients with diagnosis of visceral or cutaneous Leishmaniasis
Autor(es): Horimoto, Alex Magno Coelho
Abstract: A leishmaniose é uma doença infecciosa crônica que pode variar de um espectro que inclui acometimento cutâneo isolado com manifestação oligossintomática até acometimento sistêmico com manifestações clínicas importantes. O desenvolvimento de infecção em cada tipo de leishmaniose (visceral ou tegumentar) depende da interação complexa e intrigante entre fatores de virulência do patógeno e resposta imunológica do hospedeiro. Análises de soros de pacientes infectados por leishmaniose demonstraram a existência de auto-anticorpos contra componentes celulares e humorais. Imunocomplexos circulantes e anticorpos contra imunoglobulina G (fator reumatóide) têm sido identificados em pacientes com leishmaniose visceral e cutâneo-mucosa. Pacientes com leishmaniose visceral podem apresentar sintomas que mimetizam o quadro clínico encontrado em pacientes com diagnóstico de Lupus Eritematoso Sistêmico (LES), dificultando o diagnóstico precoce e tratamento. Desse modo, objetivou-se estudar o perfil imunológico destes pacientes, através da dosagem de autoanticorpos e complemento no soro de 90 pacientes, sendo 45 deles com leishmaniose visceral e 45 com a forma tegumentar. Os auto-anticorpos estatisticamente significantes presentes em pacientes com leishmaniose visceral foram: Fator Anti-nuclear (FAN) positivo (4,4%) ou em baixa titulação (8,9%) e anticorpo anti-cardiolipina do tipo IgG positivo (17,8%) ou indeterminado (8,9%). Encontrou-se, além disso, diminuição do complemento sérico C3 em 17,8% dos pacientes e anticorpo anti-Leishmania >1/80 positiva em todos os pacientes com leishmaniose visceral. Conclui-se que a forma visceral de leishmaniose pode se correlacionar positivamente com a presença de auto-anticorpos, possivelmente pelo desencadeamento de uma resposta sistêmica predominantemente humoral do Tipo Th2.
Palavras-chave: Auto-Anticorpos
Leishmaniose Visceral
Leishmaniose Tegumentar Difusa
Autoantibodies
Leishmaniasis, Visceral
Leishmaniasis, Diffuse Cutaneous
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: https://repositorio.ufms.br/handle/123456789/297
Data do documento: 2008
Aparece nas coleções:Programa de Pós-graduação em Saúde e Desenvolvimento na Região Centro-Oeste

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Alex Magno Coelho Horimoto.pdf320,55 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.