Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufms.br/handle/123456789/482
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.authorSales, Eliana da Mota Bordin de-
dc.date.accessioned2011-09-09T13:20:47Z-
dc.date.available2011-09-09T13:20:47Z-
dc.date.issued2000-
dc.identifier.citationSALES, Eliana da Mota Bordin de. O conceito de justiça distributiva relacionado às normas sociais escolares. Psicol. Reflex. Crit., Porto Alegre, v. 13, n. 1, 2000 . Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-79722000000100007&lng=pt&nrm=iso>. acessos em 09 set. 2011. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722000000100006.pt_BR
dc.identifier.urihttps://repositorio.ufms.br/handle/123456789/482-
dc.description.abstractEste estudo investiga o desenvolvimento dos princípios de justiça distributiva, utilizado por crianças e adolescentes, em situação hipotética de distribuição de recompensa e compara a evolução do conceito de justiça distributiva com as noções de certo e errado emitidas por esses mesmos participantes sobre perguntas a respeito de normas sociais escolares. Examina as respostas que 90 crianças de terceira, quinta e sétima séries do Ensino Fundamental, de uma escola pública de Três Lagoas - MS, deram a perguntas e histórias-estímulo referentes às normas sociais escolares e ao conceito de justiça distributiva com algumas reflexões. Os resultados encontrados mostram que a criança primeiramente responde às questões guiada pelos resultados aparentes dos atos ou pela sua conformidade às regras e, posteriormente, avança para a análise das intenções; e observou-se um desenvolvimento progressivo da autonomia na passagem gradativa do princípio de igualdade para o princípio de eqüidade. Conclui-se que há evolução na utilização dos princípios de justiça distributiva, em diferentes idades e em cada sexo e que esta evolução é acompanhada da evolução de conceitos de certo e errado relacionados às normas sociais escolares.pt_BR
dc.description.abstractABSTRACT - This study examined the development of the principles of distributive justice with the participation of children and teenagers in a hypothetical situation of reward distribution and compared the evolution of the concept of justice to the principles of right and wrong transmitted by the same participants about questions concerning school social rules. The answers given by 90 children from the third, fifth, and seventh grades to questions and stories about school social rules and the concept of distributive justice were examined. The findings showed that children first answerd the questions guided by the apparent results of acts or by accepting the rules and eventually proceeded to analyze intentions. We observed a progressive development of self-autonomy in passing from the equality to the equity principle. Finally we came to the conclusion that there is evolution in using the principles of distributive justice, at different ages and genders, and that this evolution is related to the development of concepts of right and wrong concerning the school social rules.pt_BR
dc.language.isoporpt_BR
dc.publisherPsicologia: Reflexão e Críticapt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectPsicologiapt_BR
dc.subjectDesenvolvimento da Comunidadept_BR
dc.subjectDesenvolvimento Moralpt_BR
dc.subjectIgualdade Socialpt_BR
dc.subjectEquidadept_BR
dc.subjectPsychologypt_BR
dc.subjectCommunity Developmentpt_BR
dc.subjectMoral Developmentpt_BR
dc.titleO conceito de justiça distributiva relacionado às normas sociais escolarespt_BR
dc.title.alternativeThe concept of distributive justice related to school social rulespt_BR
dc.typeArtigo de Periódicopt_BR
dc.identifier.doihttp://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722000000100006-
Aparece nas coleções:CPAR - Artigos publicados em periódicos

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
O conceito de justiça distributiva.pdf106,54 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.